Vereadora solicita que MP recomende suspensão de contrato milionário da Prefeitura de Itajaí

As aulas presenciais na Rede Municipal de Ensino de Itajaí estão gerando diversos debates e dúvidas com relação ao cumprimento das regras sanitárias da Covid-19. Não houve por parte da Prefeitura nenhum grande investimento para garantir melhores condições de estudo e de trabalho para alunos e professores.

Apesar disso, nessa semana o Município formalizou uma compra com dispensa de licitação, no valor de R$ 7,6 milhões para aquisição kits de educação socioemocional.

O alto valor do investimento diante de um momento em que se exige cautela nos gastos e onde ainda faltam investimentos básicos na estrutura educacional e na saúde do professores e alunos chamou a atenção da vereadora Anna Carolina Martins, que solicitou ao Ministério Público que recomende a suspensão imediata do contrato de compra entre a Prefeitura de Itajaí e a empresa da Inteligência Educacional Ltda ME, até melhor análise especializada, bem como solicite ao Município que comprove a necessidade de aquisição dos kits.

“Estou fiscalizando as escolas e recebo muitas queixas de que faltam materiais básicos para proteção dos professores e alunos. Com esse valor poderíamos vacinar, duas vezes, os profissionais da educação e ainda sobraria muito para adquirir tablets, chips e fazer espaços equipados para gravar videoaula. Daria para pôr ar-condicionado, tv, parquinho e o que mais precisasse nas unidades de ensino. Aliás, daria para construir sete creches de R$ 1 milhão cada e sobraria dinheiro”, avaliou a vereadora Anna Carolina.

Os kits milionários seriam usados apenas uma vez por semana, durante uma hora, pelos alunos da Rede Municipal de Ensino. Além disso, na petição protocolada no MP, a vereadora pontua que em uma das tabelas apreendidas pelo GAECO na Operação Cidade Limpa consta a doação de R$ 500 mil por uma empresa identificada como ‘Inteligência’ o que levanta suspeita de se tratar da mesma empresa responsável pela venda dos kits.