Celular de uma das vítimas de acidente envolvendo Jaguar foi furtado após a batida

O celular de uma das vítimas que estava no banco de trás do Palio envolvido em um grave acidente na BR-470, dia 23 de fevereiro, foi furtado minutos após a batida. A informação foi publicada pelo portal Notícias Vale do Itajaí e confirmada pelo Santa na manhã desta terça-feira.

Por telefone, o pai de Thayná Carolina Círico, Jair Círico, disse que no dia após o acidente a família ligava para o telefone, que só chamava. Amigos chegaram a tentar fazer o rastreamento do aparelho, porém sem sucesso. Mas no fim de fevereiro, poucos dias após o acidente, um anúncio em um grupo no Facebook chamou a atenção. Lá, de acordo com o pai de Thayná, um homem tentava vender um iPhone avaliado em R$ 4 mil por pouco mais de R$ 1 mil. Ele foi localizado e, de acordo com a família, devolveu o celular.

Além disso, algumas garrafas de bebidas alcoólicas que estavam no porta-malas do Jaguar conduzido por Evanio Prestini também foram levadas do local. Segundo especialistas, esse fato pode prejudicar o trabalho da acusação. Isso porque as provas ficam sob custódia da Justiça e permanecem como parte do processo durante todo o trâmite. Além disso, podem complementar a denúncia do Ministério Público (MPSC) contra Evanio Prestini – denúncia essa que ainda não foi entregue.

Evanio permanece preso no Presídio Regional de Blumenau. Ele teve o pedido de liminar do habeas corpus negado na última sexta-feira pelo desembargador Alexandre d’Iavanenko e agora aguarda pelo julgamento no Colegiado do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), que pode ocorrer até 30 dias após a análise da liminar.

Ele está preso preventivamente após ter provocado o acidente que resultou na morte de Amanda Grabner Zimmermann, 18 anos, e Suelen Hedler da Silveira, 21. Prestini conduzia um Jaguar F-Pace sob efeito de álcool, conforme a PRF. O teste do bafômetro acusou 0,72 miligramas de álcool por litro de ar expelido.

NSC