Estações de esgoto dos loteamentos de Camboriú não funcionam

Após a denúncia publicada ontem no Portal Visse, onde a reportagem apurou que a estação compacta de tratamento de esgoto do Loteamento Jardim Veneza não estava em funcionamento e ainda estava despejando esgoto em um curso de água, novas irregularidades foram identificadas por nossa equipe, em parceria com o Jornal Linha Popular.

Além do Loteamento Jardim Veneza, no Rio Pequeno, vistoriamos mais 5 loteamentos instalados no município, maioria deles já com moradores, e a situação é muito pior do que se imagina. Todas as estações não estão funcionando e estão em visível estado de abandono.

Algumas não tem energia elétrica por corte no fornecimento e outras embora estão com energia, foram achados talões da Celesc apenas com a taxa mínima de serviço de 93 reais, sem nenhum consumo. Algumas depredadas, pichadas, tomadas pelo mato e a do Jardim Veneza, em especial, vazando esgoto diretamente em curso d’água.

Vale lembrar que, desde 2008, reeditada em uma lei de 2017, todos os loteamentos aprovados no município são obrigados a construir uma estação compacta de tratamento de esgoto para atender a demanda das unidades do local. De acordo com lei municipal, a responsabilidade de manter estas estações em pleno funcionamento, é da Prefeitura de Camboriú.

Confira

LOT. BARRA DO CEDRO

O mais populoso dos loteamentos visitados, a maioria dos lotes já estão sendo ocupados por construções ou já tem moradias fixas. A estação está tomada pelo mato, tem energia elétrica mas não tem consumo. Não há nenhum sinal de que existe movimentação de operários nesta estação, os equipamentos estão novos e sem sinais de desgaste pelo uso.

A pergunta que fica é: Para onde está indo o esgoto de todas estas casas, sendo que a estação não está operando?

LOT. JARDIM EUROPA

Assim como no Cedro, o Jardim Europa é extremamente populoso e a maioria dos lotes já estão ocupados por construções e moradores. A situação da estação se repete. Mato, abandono e nenhuma atividade de tratamento do efluente. Um dos reservatórios apresenta vazamento, a placa de identificação não existe mais e há várias faturas de energia e água. Todas com a taxa mínima, sem nenhum consumo.

A pergunta se repete: Para onde está indo o esgoto de todas estas casas, sendo que a estação não está operando?


LOT. JARDIM MARIA RUSSI

Entregue há poucos meses, é a estação mais “nova” vistoriada pela reportagem. Os proprietários estão iniciando as construções e já há presença de moradores. Mesmo assim, a situação da estação é igual as outras. A energia está desligada, o alambrado já foi depredado e a estação está completamente sem uso. O mato não cresceu, mas tem um grosso gramado que não parece ter sido aparado alguma vez. A praça, ao lado da estação, está tomada de lixo.

LOT. JARDIM MORIAH

O loteamento está vazio, a estação está inativa, com luz cortada e até sem o medidor de energia. Foram vistos pelo menos 10 talões de luz velhos no local, em nome da loteadora.

LOT. PAYSAGE TERRAS ALTAS

Um loteamento lindo e bem estruturado. Há muitas construções de alto padrão e muitas moradias já instaladas. O loteamento fica entre o Rio Pequeno e o bairro São Francisco de Assis e tem uma grande estação de tratamento que conta até com lixeiras de coleta seletiva. Com um detalhe, as lixeiras estão trancadas e provavelmente nunca foram usadas. A situação da estação é a mesma de todas as outras. Fora de operação, muito mato, abandono e com energia elétrica ligada, mas sem consumo. Os talões também só tem a taxa mínima da Celesc.

A pergunta se repete mais uma vez: Para onde está indo o esgoto de todas estas casas, sendo que a estação não está operando?

LOT. JARDIM VENEZA 

A situação da Estação do Loteamento Jardim Veneza já foi mostrada na matéria publicada nesta quinta-feira, dia 06, onde a reportagem identificou um despejo de esgoto em um curso de água que corre nos fundos da estação.

Ao chegar ao local, que está completamente largado e abandonado, nos deparamos com um grande vazamento de esgoto puro sendo largado no terreno ao lado e correndo para o curso de água que alimenta o ribeirão que corta o Rio Pequeno e desagua no Rio Camboriú, no Bairro São Francisco de Assis.

Se não bastasse o terreno completamente enxarcado de esgoto, um tubo que sai de uma caixa despeja um excedente de esgoto diretamente no curso d’água. A estação não está operando, nenhum motor funciona, nenhum tipo de tratamento é feito e inclusive a energia elétrica da estação está cortada.

Veja fotos e vídeo abaixo

Publicidade