Lagoa de Taquaras tem piora nos resultados e entra no relatório semanal

Desde início de 2018, a Emasa tem feito análises internas de monitoramento da balneabilidade da Lagoa de Taquaras, com o intuito de despoluí-la e preparar a praia para a certificação Bandeira Azul. O trabalho de despoluição iniciou com a finalização da rede coletora de esgoto da localidade junto ao fechamento da ETE Taquaras, uma unidade de tratamento de esgoto que nunca funcionou adequadamente e acabava jogando esgoto na lagoa, que fica ao lado da estação.

As análises eram feitas quinzenalmente pelo laboratório Beckhauser & Barros – credenciado no Instituto do Meio Ambiente (IMA) e acreditado no Inmetro, respeitando as normas da resolução 274/2000 do CONAMA.

Em junho de 2018, a Emasa assinou um TAC com o MP na qual ficou responsável por realizar análises de balneabilidade no município de Balneário Camboriú. Em Taquaras, dois pontos deveriam ser analisados. Como já existia o monitoramento da lagoa, a Emasa passou a coletar no mar, próximo a lagoa, para procurar descobrir se o local tinha a balneabilidade influenciada pela Lagoa de Taquaras.

No final de 2019, os resultados do fechamento da ETE começaram a aparecer. No mês de outubro as análises apontaram menos de 800E.coli/100ml, mantendo resultados favoráveis nos dois próximos meses.

Em 7 janeiro de 2019, foi divulgado pela Emasa, baseado nos resultados de dezembro, que a lagoa estava 100% própria para banho, acumulando 8 análises positivas. A coleta feita no dia 08 de janeiro voltou a confirmar o resultado positivo, com 170 E.coli/100ml, totalizando 9 amostras com resultados abaixo de 800E.coli/100ml.

Piora nos resultados

Ainda sem explicação por parte dos técnicos da Emasa e alvo de investigação da autarquia, a análise seguinte, realizada dia 22 de janeiro, o resultado da amostra apontou quase 90X mais E.coli/100ml que a amostra anterior, chegando ao nível de 14.000. O resultado da análise seguinte, realizada no dia 05 de fevereiro, o número de E.coli/100ml de água chegou aos assustadores 24.000. Muito maior que médias históricas analisadas pelo IMA.

Diante disso, os técnicos da Emasa fizeram uma vistoria nas elevatórias para verificar um possível extravasamento de esgoto, porém nenhum vazamento ou extravasamento foi identificado. Os técnicos questionaram o laboratório, revisaram análises e avaliaram as coletas de campo, mas não identificaram nenhum problema.

O que mais intriga aos técnicos da Emasa que investigam o caso, é o fato das amostras manterem um nível de oxigenação alta, apesar da elevada taxa de E.coli, o que, preliminarmente, descartaria a possibilidade de haver esgoto sanitário na lagoa. Em casos de contaminação de esgoto sanitário, a oxigenação da água é quase zero. Outros parâmetros apresentam reduções significativas. Imagem abaixo compara coleta do dia 09 de janeiro de 2019 com a de 05 de fevereiro de 2020, onde é possível ver as análises mais detalhadas.

Nesta semana, os técnicos da Emasa coletaram sedmentos em três pontos do fundo da lagoa para tentar identificar a origem da contaminação. O resultado deve sair nos próximos dias.

A investigação para as possíveis causas do aumento repentino de contaminação, continuará nos próximos dias, até que se tenha a certeza da sua origem. A possibilidade da contaminação ter sido causada criminosamente, não está descartada.

Nas amostras coletadas nos dias 21, 22, 26, 27 e 28 de fevereiro, e que agora compõe o relatório semanal divulgado pela Emasa, os níveis estão um pouco melhores, porem muitíssimo maior que o registrado de outubro a dezembro de 2019.

Análises Semanais

Com a nova licitação para análises de balneabilidade, a Lagoa de Taquaras passará a ter análises coletadas três vezes por semana, assim como os demais pontos das praias de Balneário Camboriú, e passará a fazer parte do relatório de balneabilidade semanal.

Como já houve a confirmação de que a lagoa não influencia na balneabilidade da praia, manter três pontos de análises na Praia de Taquaras será desnecessário.

Até o dia 13 de março as coletas continuam sendo realizadas três vezes por semana. Após esse período, as coletas voltam a acontecer uma vez por semana.

As análises dos dias 21, 22, 26, 27 e 28 de fevereiro, já entraram no último relatório publicado no site da Emasa e está disponível no link abaixo:

http://www.emasa.com.br/emasa/laboratorios/balneabilidade-praias–boletim-semanal/?ano_documento=2020

Comente Abaixo