GAECO cumpre mandado na Prefeitura de BC sobre o caso do uso de veículo por Secretário de Segurança

O Grupo de Atenção Especial às Organizações Criminosas, GAECO, de Santa Catarina, está cumprindo um mandado de busca na prefeitura de Balneário Camboriú, relativo ainda ao caso sobre o possível uso ilegal de veículos da secretaria de segurança para fins próprios pelo secretário de segurança Gabriel Castanheira. A investigação já havia sido arquivada e novas denúncias, com ares de politicagem, deram novos episódios ao caso.

No último dia 1° de Abril, a 8ª Promotoria de Justiça da Comarca de Balneário Camboriú pediu o arquivamento do inquérito por falta de fundamentos que justificassem uma ação penal por suposta improbidade administrativa. Um dos motivos que levou ao arquivamento, foi o fato de que Castanheira havia pedido anuência da Controladoria, antes mesmo de usar o veículo oficial. Diligências do GAECO na época, também não indicaram ilegalidades.

Secretários e Prefeitura se manifestam sobre buscas do GAECO

De acordo com informações recebidas em primeira mão pelo Portal Visse, após a publicação da notícia sobre o arquivamento, uma denúncia anônima foi feita na 9° Promotoria de Justiça sobre uma suposta falsificação de um dos documentos apresentados pelo secretário Gabriel Castanheira. Ao que parece, a denunciante, que se tornou posteriormente noticiante e está inclusive acompanhando as buscas dos agentes, alegou que o documento em que Castanheira pede o parecer da Controladoria, havia sido supostamente forjado. A noticiante é servidora efetiva e militante política de um partido de oposição ao governo municipal.

Ainda de acordo com informações preliminares recebidas pela reportagem, o titular da 9ª Promotoria, o promotor Jean Forest, chegou a ir pessoalmente na prefeitura em duas datas diferentes para solicitar alguns documentos e houve a entrega das cópias. Pelo que foi apurado pela reportagem, o próprio promotor entrou com um pedido para que a justiça autorizasse o mandado de busca e apreensão, com o intuito de conseguir os documentos originais. A promotoria alega que a Controladoria teria falsificado o documento para beneficiar Castanheira, mas até o momento não conseguiu provar, por isso pediu diligências do GAECO.

A 9ª Promotoria de Justiça chegou a pedir o afastamento cautelar do Secretário de Segurança e do Secretário de Controle Governamental de suas funções, mas o pedido foi indeferido pela justiça por entender que a medida é grave e não há indícios que apontem como necessária tal medida.

Os envolvidos estão sendo procurados pela reportagem.

Atualizada 18:22 para correção de informações 
Mais informações serão publicadas neste link. 

Publicidade