Caso Adélio: delegado que comanda inquérito de atentado foi assessor do PT

Destacado para comandar as investigações do atentado contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro, o delegado Rodrigo Morais Fernandes chefiou por dois anos a Assessoria de Integração das Inteligências da Secretaria de Defesa Social (Segurança Pública) do Governo de Fernando Pimentel em Minas Gerais. As informações são do site “O Antagonista”.

Fernando Pimentel é o candidato à reeleição como Governador de Minas Gerais pelo PT.



Ainda de acordo com o site, o delegado virou alvo da imprensa há dois anos ao ser enviado pelo governador para assistir ao Super Bowl, na Califórnia (EUA). Na ocasião, a administração afirmou que Fernandes coordenava a comissão das Olimpíadas Rio-2016.

Pior fim, Morais também chegou a integrar o governo Dilma. Ele foi, por alguns meses, diretor de Inteligência da Secretaria Extraordinária para Grandes Eventos. Há três meses, foi condecorado por Pimentel com a Medalha Alferes Tiradentes.

Investigações

No dia 14, a Polícia Federal pediu mais 15 dias para tentar encerrar as investigações. O pedido foi enviado no dia 20 à 3ª Vara Federal de Juiz de Fora.

A corporação pretende, além de confirmar a autoria do ataque por parte de Adélio Bispo de Oliveira, descobrir as motivações do agressor e saber se houve ou não participação de outras pessoas. A Justiça Federal de MG ainda não respondeu à solicitação.

“A PF concluiu cinco laudos periciais, outros quatro exames seguem em andamento. Além disso, foram pleiteadas e obtidas junto ao Poder Judiciário várias medidas cautelares, como quebra de sigilo bancário, telefônico e telemático”, informou a Polícia Federal.

error: Este conteúdo é protegido. As fontes estão mencionadas no final da matéria.