Diminuir o número de vereadores: Economia ou Politicagem?

Mais uma vez, naquele discurso populista de sempre, um projeto tramita na Câmara de Vereadores para baixar o número de cadeiras de 19 para 14 vereadores. O discurso populista? Economia!

Mas será que os nobres vereadores tem mesmo a intenção de promover a economia na casa legislativa ou tudo isso não passa de politicagem barata para ludibriar o povo, dizendo que diminuir o número de parlamentares é a solução? Afinal, só valeria a partir de 2025.

Isso é uma grande balela! Mentem na cara dura e o povo acredita. Mas eu digo que diminuir o número de vereadores é muito pior para a cidade. E explico porquê.

Representatividade

Quanto maior o número de vereadores, maior a representatividade do povo e pluralidade de ideias.

Sem contar que a possibilidade de haver caso de corrupção para aprovar projetos é muito menor, afinal, seria mais fácil “comprar” a maioria de 13 do que a maioria de 19. Jorge Caseca que o diga né?

Não se iludam, o valor que a Câmara recebe da prefeitura para sua manutenção, continuará o mesmo. Com 13, 19 ou 50 vereadores, o duodécimo continuará sendo repassado igualmente.

Vamos aos números 

Hoje temos 19 vereadores com o salário de R$ 13.215,00 cada um. Cada vereador tem direito a gastar até R$ 18.610,00 com salário de assessores. Isso sem contar encargos. Portanto, cada gabinete pode custar R$ 31.825,00 por mês.

Se multiplicar pelos 19, o gasto com vereadores + assessores, vai para R$ 604.675,00 por mês.

Em um ano, esse valor vai para R$ 7.256.100,00. Em 4 anos de mandato, os 19 vereadores custam aos cofres públicos R$ 29.024.400,00. Isso sem contar encargos e os indicados para cargos dentro da Câmara.

E se baixar o número de vereadores?

De acordo com a proposta do Vereador Nilson Probst (MDB) e assinado por outros 6 que vou citar mais abaixo, o número de cadeiras no legislativo cairia para 13, mas nenhum tipo de benefício será cortado. Portanto, seriam 13 vereadores com o mesmo salário e com a mesma verba de gabinete.

A economia de 2,2 milhões de reais por ano é algo bem interessante, com certeza. Mais de 9 milhões em um mandato? Seria lindo. Mas lembrem-se, a representatividade iria diminuir e daria muito poder na mão de poucos.

EU ABRO O DESAFIO!

Eu desafio algum vereador a mudar a proposta. Já que gostam tanto de falar em economia e se dizem tão preocupados com o dinheiro público, eu proponho a fazer o que vou elencar abaixo, começando a mudança de dentro para fora. E o melhor, nem precisa esperar chegar a 2025 para começar a economizar. Pode começar logo que a lei for aprovada.

A proposta é a seguinte:  Diminuam seus próprios salários em 20% e cortem suas verbas de gabinete em 50%. E olha que para baixar verba de gabinete não precisa nem de lei, basta não usar.

Com essas duas sugestões acima, é possível manter o mesmo número de vereadores e ter uma economia maior do que se baixasse as cadeiras para 13. Não acredita? Confira abaixo.

 

CORTAR NA CARNE 

Além do proponente, outros 6 vereadores assinam o projeto de lei para baixar o número de cadeiras para 13. Mas é fácil querer cortar número de cadeiras e manter as comodidades dos seus próprios gabinetes.

Entre os que assinaram, além do autor, estão Anderson dos Santos (Podemos), Arlindo Cruz (PSD), Asinil Mederios (PL), David La Barrica (Patriotas), Marcos Kurtz (Podemos) e Omar Tomalih (Podemos). O que chama atenção é que além de Nilson, nenhum vereador da oposição assinou o projeto.

Verificando no Portal da Transparência, na folha do mês de outubro, para ver como está a “economia” dos parlamentares, constarei que TODOS os 7 vereadores que assinaram o projeto, usam 100% da sua verba de gabinete de R$ 18.610,00 para a contratação de assessores. (sem encargos)

Anderson dos Santos: R$ 18.280,28
Arlindo Cruz: R$ 18.611,11
Asinil Medeiros: R$ 18.611,11
David La Barrica: R$ 18.611,16
Marcos Kurtz: R$ 18.611,15
Omar Tomalih: R$ 18.611,12
Nilson Probst: R$ 18.611,12

Eu nem estou contando os cargos comissionados da Câmara, indicados pelos nobres vereadores, onde alguns que ganham bonificações para atuarem em comissões e que custam a bagatela mais de 104 mil reais por mês.

E ai? Aceitam o desafio?
Ou vão continuar com esse discurso politiqueiro de economia, sem cortar na própria carne?

Qual vereador aceitará a proposta?


Diminuir o número de vereadores: Economia ou Politicagem?
Poucas e Boas – Gian Del Sent